Logo



Posts Recentes



17 janeiro 2017

Lúcida - Ron Bass e Adrienne Stoltz

   Um thriller psicológico eletrizante, do roteirista de Rain Man e O casamento do meu melhor amigo. Sloane é uma aluna nota 10, com uma grande e amorosa família. Maggie vive uma existência glamorosa e independente, como aspirante a atriz em Nova York. As duas não poderiam ser mais diferentes. A não ser por um pequeno detalhe, algo que não têm coragem de revelar a ninguém. À noite, cada uma sonha que é a outra. Os sonhos são tão vívidos que as garotas sentem e experimentam o que a outra está passando naquele momento. Seriam as duas reais? Uma delas estaria mentalmente instável e imaginando a outra? Seriam ambas a mesma pessoa? Qual delas é real?

   Lúcida foi minha primeira leitura de 2017 e já posso começar a dizer pra vocês que foi incrível! 
Quando vi o lançamento no catálogo da Editora Record já fiquei louca, claro que ele foi um dos livros que solicitei e quando ele chegou aqui em casa já comecei me encantando com a capa. E ainda bem que não me decepcionei com a história, comecei a minha leitura mais vagarosamente porque estava em um momento chato de "ressaca literária" que já estava durando tempo demais. Mas, por mais engraçado que pareça o que vou falar agora: esse livro me salvou! Depois dessa leitura maravilhosa, consegui voltar ao meu ritmo normal com os livros e estou extremamente feliz com isso <3. 
   Em Lúcida conhecemos duas personagens completamente diferentes: Maggie é uma aspirante a atriz em Nova York, com uma família um tanto desajustada, já que perdeu o pai alguns anos atrás e a mãe é uma mulher um tanto ocupada e irresponsável demais para tomar conta da filha mais nova, que por acaso é o que Maggie mais ama no mundo. E Sloane parece ter a vida ideal: estuda em uma escola, é inteligente e parece ter futuro garantido na universidade que deseja, tem uma família linda e unida, um melhor amigo fiel e, bem, muito gato... tudo perfeito não fosse a recente perda que sofreu.
   Essas garotas poderiam ser quaisquer pessoas nesse mundão afora, possuem histórias comuns de se encontrar... não fosse o fato delas estarem conectadas da forma mais estranha possível: durante a noite, uma sonha que é a outra. Para Maggie, Sloane é fruto de sua imaginação fértil de atriz e criadora de histórias, sua vida é a que vive em Nova York e ela simplesmente criou uma outra pessoa que tivesse uma família mais estável e uma vida mais "normal", uma vida que Maggie vive durante a noite, enquanto sonha. Mas, o mesmo acontece para Sloane. Durante o dia sua vida se resume à escola e sua paquera com o garoto novo, James, mas durante a noite ela sonha que é Maggie, tem o dia de Maggie. 
   Claro que depois de tantas noites sonhando ser outra pessoa, as personagens começam a se questionar sobre quem são e se a sua versão é a real ou não. Maggie realmente existe ou ela é fruto da imaginação de Sloane para tentar viver uma vida mais "interessante"? Sloane existe ou ela é simplesmente o sonho de Maggie ter uma vida mais ajustada? É com essa dúvida que ficamos até o final do livro. 
   O livro se divide em capítulos alternados entre a vida de cada uma. Cada capítulo termina com uma delas indo dormir e então a outra acorda e seu dia começa. A narrativa é de certa forma rápida e fluída, apesar de no começo da história não termos tantos acontecimentos interessantes. E você pode ter certeza de uma coisa: não vai saber o que aconteceu com ambas as meninas para estarem tão conectadas, pelo menos não até o fim do livro. Cheguei a cogitar mil e uma possibilidades e o mistério se manteve até as últimas páginas. 
   A história é envolvente, começamos a nos identificar ou pelo menos entender cada uma das personagens. Não digo que tenho uma favorita, mas apesar de adorar acompanhar a vida de Maggie em Nova York, eu simplesmente adorava aqueles dramas de escola que a Sloane passava e ela se tornava minha parte favorita do livro. E é assim que a leitura se transcorre: vamos acompanhando a vida de cada uma delas, seus dramas familiares, suas paixões... até entendermos o por quê dessa loucura de uma sonhar que é a outra. Quem é real é a pergunta que não sai da cabeça. 
   Apesar das emoções do fim do livro, não posso concordar que se trata de um Thriller psicológico. Claro que ficamos aflitos em responder a pergunta principal, mas a história de Sloane e Maggie parece mais um YA, não é sufocante durante todo o livro como um thriller realmente se caracteriza. 
   Foi um livro que adorei, mas tenho uma pequena crítica ao final. Gostaria que ele tivesse sido um pouco mais amarrado, mais solucionado, mais explicativo, mais... preto no branco, sabe? Acredito que sei o que os autores quiseram trazer para o final: algo mais perturbador, complexo como a mente humana, mas infelizmente isso fez com que eu tivesse que voltar vezes e vezes no mesmo parágrafo pra conseguir assimilar o que estava lendo, foi um pouco chatinho... 
   Mas os autores mereceram parabéns, porque essa é uma história muito bem escrita e que não deixa transparecer seu final. Ainda mais nos últimos capítulos onde as histórias se misturaram tanto, foi uma confusão mental tão grande que foi impossível indicar qual personagem era real. Achei incrível.
   Como Ross é roteirista de filme (alguns dos trabalhos dele são Rain Man e O Casamento do meu melhor amigo) foi impossível não imaginar esse livro como filme. Não tenho dúvidas de que seria espetacular e faria sucesso... espero que pensem e invistam nessa ideia! Eu, com certeza, não perderia. 
   Por fim, como falar dessa capa e diagramação uma palavra que seja diferente de MARAVILHOSA? Simplesmente adorei essa edição e o livro ficou simplesmente lindíssimo na minha estante. Parabéns, mais uma vez, Galera Record, vocês sempre arrasam! 

"Nos admiramos com todo o amor que sentimos. Damos um beijo que vai durar toda a eternidade" 

6 comentários:

  1. Que bacana! Um enredo bem diferente dos atuais, uma capa maravilhosa (realmente!), e ainda por cima é thriller. Depois de ler "A caixa de pássaros" eu me apaixonei pelo gênero, e estava atrás de outro do mesmo estilo pra ler. Já encontrei ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahhh, que maravilhoso saber que você gostou, Jéssica! Mas devo dizer que ele não é muito parecido com A caixa de pássaros... esse sim eu encaixaria em Thriller psicológico, Lúcida tem uma pegada mais leve, por assim dizer...
      Beijoss

      Excluir
  2. Oie! Eu não conhecia esse livro, mas pelo o que eu li na resenha parece ser o tipo de livro que eu gosto, meio enrolado, reflexivo. A capa até que chama muito a atenção (como aconteceu com você).. mas, eu não me interessei muito pela história..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena, Carol /: é um livro bem legal, mas entendo que a trama pode não agradar a todos /:
      Beijoss

      Excluir
  3. Que maravilhosa sua resenha, Kathleen! Eu gostei muito da sua forma de escrever. Gosto muito de livros assim. Já tenho uma lista enorme de desejos, mas esse também vai pra lista. Preciso enriquecer em 2017. kkkk O que é essa frase linda no final, hein? "Nos admiramos com todo o amor que sentimos. Damos um beijo que vai durar toda a eternidade" MA-RA-VI-LHO-SO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh, assim eu fico sem graça <333 hahaha
      Somos duas que precisamos enriquecer em 2017, porque o tanto de livros que quero comprar... não está fácil hahahah
      Beijosss

      Excluir

Obrigada pelo seu comentário! sua opinião é muito importante aqui no Vida em Marte, vou ler e responder com carinho ;)

Pin It button on image hover