Logo



Posts Recentes



11 fevereiro 2015

Invisível - David Levithan e Andrea Cremer


   "Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth. Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à orientação sexual do irmão. Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo... Ela o vê! (...)".


"Invísivel" é a história de Stephen, um garoto literalmente invisível. 
Stephen nasceu invisível aos olhos e quando bebê sua mãe ainda conseguia o tocar e isso fez com que ela pudesse cria-lo. Mas, conforme o tempo foi passando, essa "parte material" do garoto foi sumindo, fazendo com que ele não pudesse ser sentido também. 
A vida dele não passa de observar o ritmo da vida dos nova iorquinos enquanto ele mesmo não pode aproveitar a sua. Até que Elizabeth aparece. 

Elizabeth é uma menina forte, decidida, que ama o irmão e o defende com unhas e dentes. Depois de um acontecimento que marcou a vida da família, Elizabeth, o irmão e a mãe se mudam da pequena Minessota para Nova Iorque e é lá que ela tem sua vida igualmente mudada. 

Elizabeth é a única pessoa que consegue ver Stephen.

"Invisível" foi um daqueles livros em que eu comecei com expectativas gigantescas, e eu vou dizer por quê. Acontece que mesmo eu não gostando tanto da narrativa do Levithan, e não conhecendo o trabalho da Andrea Cremer, foram tantas, mas tantas resenhas positivas que eu li sobre esse livro, que eu não consegui resistir.

O começo do livro me prendeu muito, foi leve, foi gostoso e ao mesmo tempo despertou muito minha curiosidade. Existiam tantas coisas para as quais eu queria a resposta... Por que ele é invisível? Por que só ela consegue vê-lo? E até umas menos triviais, do tipo: Se ele faz com que as coisas que ele entra em contato (como a roupa), fiquem invisíveis também, por que quando ele beija Elizabeth, ela não desaparece? 

Mas então o livro vai tomando um rumo totalmente inesperado. A narrativa antes tão normal, tão fresca (que agora é uma nova figura de linguagem, porque pra mim, define muito isso) começa a caminhar pra literatura fantásticas e assuntos como maldições, personagens que são espécies de bruxos e situações de perigo tomam conta do livro. Não posso dizer que gostei, assim como também não posso dizer que odiei.

Eu sempre digo que quando dois autores se juntam pra escrever um livro é um risco. São pessoas diferentes, com pensamentos diferentes, que devem conduzir uma mesma história pra um mesmo desfecho, com um mesmo ritmo durante todo o livro, pra que o leitor não se sinta... exatamente como eu me senti. 

No começo do livro parecia que tudo ia focar no relacionamento dos dois, que Stephen ia se conhecer como pessoa, ia encontrar seu lugar no mundo mesmo sendo invisível, e o romance com Elizabeth ia ser o divisor de águas da sua vida. Mas então os autores impressionam com a adição de elementos fantásticos que tiraram toda a graça da história criada até então.

O foco de tudo passa a ser descobrir o motivo do Stephen ser invisível e o que fazer pra reverter tudo isso. Até aí tudo bem, não fosse a adição de um avô supervilão e o envolvimento da essência da Elizabeth com todas essas fantasias. Acho que a partir desse momento, o livro desandou de vez. 

Mas calma aí, meu objetivo não é botar a obra pra baixo, até porque foram muitos os elementos que eu me encantei, como os personagens, que foram muito bem trabalhados por ambos os autores, até mesmo os secundários, e isso fez com que, apesar de eu não ter gostado do rumo que a história foi tomando, eu conseguisse continuar com a leitura de forma rápida.
Outro ponto positivo é a ironia usada por ambos, que revelou sentimentos internos dos personagens e serviu mais ainda como incentivo pra que a leitura continuasse.

Invisível não é um livro ruim, não mesmo. Mas, acabou me decepcionando nos aspectos que eu citei anteriormente, talvez grande parte da culpa seja o fato de eu ter nutrido expectativas altas demais em relação a ele. Pelo menos vou lembrar disso na próxima vez. 



18 comentários:

  1. Olá Katheen!
    Gostei muito da sua resenha, principalmente pelo seguinte fato: estava em dúvida sobre comprar ou não esse livro e agora eu consegui entender mais ele. Eu também não sou nenhuma fã da escrita do Levithan e não conheço a da Andrea, mas acho que vou dar uma chance a obra, espero não me decepcionar.

    Beijos, Maah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maah!
      Que bom que a resenha esclareceu algumas coisas pra você, fico muito feliz.
      Boa sorte com a obra, querida, também espero que não se decepciones, vem contar pra mim o que achasse!
      Beijoss

      Excluir
  2. Oi Kathleen, tudo bem?
    Parabéns pela resenha! Eu não li nada do Levithan, mas eu pretendo ler algum dia. Vou começar por algum de seus outros livros, talvez Todo Dia.

    Beijão!
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gleydson querido, to bem e você?
      Obrigada! Pois é, como Todo Dia é um livro muito aclamado, o pessoal elogia bastante e etc. eu recomendaria ele mesmo, apesar de eu não conhecê-lo ainda.
      Vem me dizer o que achasse dele, não sei se vou ler logo, então vem me contar!
      Beijooos

      Excluir
  3. Ainda não li nenhum livro do levithan, porém quero muito! ~~ arrependimento não ter comprado

    http://whoosthatgirrl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, eu não sou muito fã dele, mas espero que você goste, Érica.
      Beijoss

      Excluir
  4. Oi, adorei a resenha ainda não li nada dos autores mas sempre são bastante elogiados ;)
    Abraços
    litaralmentelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Arthur!
      Pois é, são dois autores muito aclamados mesmo... quando ler algo deles, vem contar o que achasse!
      Beijoss

      Excluir
  5. Acho que muitas pessoas foram ler o livro com grande expectativa por causa do grande autor, e isso acaba desanimando as vezes.

    http://criativosounao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Thales, é um grande mal esse, ler algo com grandes expectativas pode fazer com que a gente se decepcione um pouco, como foi o caso.
      Beijoss

      Excluir
  6. Olá!

    Acho que no meu caso foi diferente. Eu não tava com tantas expectativas assim para o livro e acabei me surpreendendo. Lógico que quando revelou as coisas de maldições e tudo mais eu fiquei "WTF??!!", mas eu achei bem divertido.


    http://refugiorustico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom que foi assim contigo, Maria! Acho que fica mais fácil quando começamos sem tantas expectativas...
      Beijos

      Excluir
  7. Oi!
    Eu gosto muito da narrativa do Levithan e acho a premissa desse livro sensacional, mas também encontrei nele uma leitura diferente da que eu imaginava. Eu achava que a invisibilidade do Stephen seria tratada de maneira semelhante que a troca de corpos de "A" em "Todo Dia" e também me surpreendi com o rumo fantástico/mágico que a história tomou. Mas, no geral, gostei.
    Beijos
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois então, Mariana, apesar de não ter lido, eu conhecia o enredo de Todo dia e também achei isso! Cheguei a pensar que a parte da invisibilidade poderia também se relacionar com a nossa atual sociedade, com a correria do dia a dia, as pessoas passam muitas vezes desapercebidas e etc, mas me enganei feio hahahah
      Beijoss

      Excluir
  8. Eu estou muito interessada nesse livro e não fazia ideia de que tomaria um rumo "sobrenatural"! Não conheço a escrita de nenhum dos dois, mas concordo com você que escrever um livro em conjunto é um risco que pode estragar uma boa obra. De qualquer maneira ainda quero ler esse livro e também tenho curiosidade para ler Todo Dia do David.

    Beijos!
    orocardovento.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Aline, eu também não fazia ideia quando comecei a ler! Acho que Todo Dia pode ser melhor que esse, ainda estou apostando nele.
      Beijos

      Excluir
  9. Adorei o seu blog, que lindo!!

    Gostei da maneira como escreveu a resenha desse livro, ele pareceu mais interessante...

    Beijos, seguindo!
    albumdeleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário! sua opinião é muito importante aqui no Vida em Marte, vou ler e responder com carinho ;)

Pin It button on image hover