Logo



Posts Recentes



03 janeiro 2013

Feia - A história de uma infância sem amor



   Ler uma biografia e uma ficção são coisas completamente diferentes, e teve pontos desse livro que eu não conseguia acreditar que é mesmo uma história real, que isso aconteceu realmente.
   Feia é o relato real de Constance Briscoe. A mãe de Constance foi sistematicamente violenta com a própria filha, física e emocionalmente, durante toda a sua infância. Apanhando e sendo privada de comida, Constance estava tão desesperada, que foi sozinha até o Serviço Social e suplicou por proteção. Quando isso não deu certo, tentou dar fim à vida, tomando alvejante, uma vez que era chamada de "germe" por sua mãe. Desenvolveu caroços nos seios, uma situação médica rara para uma criança, por conta dos beliscões nos mamilos e socos deferidos pela mãe.
   Quando tinha 13 anos, foi abandonada em casa por sua conta e risco: não havia gás, luz ou comida.
Entretanto, de alguma maneira, Constance encontrou coragem para sobreviver. Esta é a sua comovente - e essencialmente triunfante e inspiradora - história.
   Eu não tenho nem palavras para descrever o quanto esse livro me emocionou e me chocou. Parece impossível acreditar que existem, sim, mães como a dela. E é incrível o jeito que ela lutou contra isso.
Um dos motivos de Clare (como ela era chamada, até que descobriu que seu nome verdadeiro era Constance) sofrer nas mãos da mãe foi por ter uma enurese noturna, ela fazia xixi na cama toda noite, e então a mãe, Carmen, levantava ao som do alarme, e batia na filha, xingando ela de todos os nomes possíveis.
Clare se vê sozinha no mundo, sem ninguém pra contar, sofrendo com o maltrato de, principalmente, a mãe (porque o padrasto também agredia ela), sofrendo com a falta de amor, tendo problemas físicos, como os caroços no seio e a queda de cabelo, tendo que morar sozinha, trabalhar em três lugares com apenas 13 anos... Clare consegue passar por tudo isso e realiza, sozinha, o grande sonho de se formar em direito.

- Você está sempre me arranjando problema. Por que você não pode ser que nem os outros? Aborto não era legal quando eu estava grávida de você, senão eu tinha dado um jeito em você.


Estávamos todos sentados em volta da mesa, esperando que o jantar fosse servido, quando a minha mãe tirou o meu prato e o pôs de lado. Ela então serviu o jantar para todos os outros. Fui ignorada. Eles comeram batata assada, frango, cenoura, batata-doce, cebola e molho. Quando perguntei à minha mãe onde estava o meu jantar, ela disse que se eu comesse, a comida ia ser digerida rápido demais e eu ia molhar a cama. Ela então pegou o meu suco de laranja e o bebeu de um só gole. Pôs o copo vazio na mesa, na minha frente.
- Hoje você vai passar a noite a seco - ela disse.

Um dia, Eastman e eu tivemos uma briga particularmente feia. Estávamos os dois perto de uma janela do térreo e, enquanto lutávamos, ele acertou meu queixo, fazendo a minha cabeça atravessar o vidro.

- Como é que é? - ela disse. - Quer brigar comigo? - Ela se atirou sobre mim e me agarrou pelo cabelo; puxou minha cabeça até a altura do seu joelho e então bateu na parte de trás dela, logo acima da nuca. Caí pela frente ainda com a faca na mão. Quando me equilibrei ela me acertou com o joelho praticamente na cara (...) 
O impacto do seu joelho havia me jogado para trás enquanto ela mirava de novo e soltava o pé em meu estômago. Apenas a mesa, atrás da minha cabeça, deteve a minha queda. Quando o topo da minha cabeça encontrou a quina aguda da mesa, apaguei. 

Entreguei a minha fotografia, tirada na escola, para minha mãe. Ela olhava da fotografia para mim. De mim para a fotografia. Então disse: "Meu Deus, como ela pode ser tão feia. Feia. Feia."

Constance Briscoe hoje trabalha como juíza na Inglaterra, foi uma das primeiras mulheres negras a presidir a sessão de um tribunal no Reino Unido. Pelo fato de ter relatado as memórias de sua infância em Feia, Constance foi processada por Carmen Briscoe, sua mãe. No entanto, o júri foi unânime em reconhecer a veracidade da autobiografia, comprovada pelas cicatrizes, testemunhos e relatos médicos.

Numa entrevista que Constance deu à Istoé, quando perguntada se ela consideraria sua mãe “tóxica”, ela responde o seguinte:

Se isso significa ser incapaz de educar os filhos e fazer do lar um ambiente destrutivo, transformando a infância num período de medo, com certeza minha mãe é tóxica.


Acho que Feia não é um livro que se dê pra resenhar muito bem, ele é magnífico demais pra eu conseguir transmitir tudo que ele significa. Terminei de ler ele, pela segunda vez, hoje e já vim trazer pra vocês...É uma leitura obrigatória! E, por favor, não deixem de ler por ser uma autobiografia, porque ao contrário da maioria delas, esse livro não é monótono, você não encontrará uma vastidão de nomes e datas, e sim uma história corrida, narrada facilmente.
Tá certo que não é fácil ler o livro e não sentir repulsa pela mãe de Constance, não é fácil ler tudo que ela teve que passar, mas convenhamos, os melhores livros são aqueles que nos causam indigestão.

  
Constance Briscoe                                                                       Carmen Briscoe (mãe dela) 


Título: Feia.
Autor: Constance Briscoe.
Editora: Bertrand Brasil.
Número de Páginas: 364.
Avaliação: 5 de 5.



21 comentários:

  1. Parece ser bastante interessante!
    Adorei...
    Seguindo :)
    Participe do concurso do meu blog sobre looks, se você se identificar.
    Espero que goste!
    Beijos sz

    http://blog2anosemeio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Que história! Como podem existir pessoas tão más como a mãe de Constance? É uma história que deu vontade de ler!
    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, flor, eu me pergunto isso também, e o pior é saber que existem aos montes... Leia, tenho certeza que vais gostar!
      Beijos

      Excluir
  3. Só pela resenha já estou impressionada. Eu quero esse livro!
    www.analogicbea.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, Bea, é um ótimo livro. E se ler, vem contar o que achou ;)
      Beijos

      Excluir
  4. Olaa fofa :D
    Encontrei seu link no site da capricho e resolvi entrar para dar uma conferida e ajudar né (sei como é essa fase de blog novo) e estou te seguindo!

    Se puder seguir de volta seria muuuito bom, hehe

    Eu tenho esse brechó e estou com peças bem legais a venda, com preços bem acessiveis tambem.
    E um SORTEIO rolando no brechó, se puder conferir, seria legal ter você participando ;p

    Beijãao e sucesso com o blog ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi flor,
      No site da Capricho? jura? onde? hahah
      Muito obrigada, seja bem vinda!
      Vou lá visitar ;)
      Beijoos

      Excluir
  5. Que linda história! Deve ser um ótimo livro! Beijos <3
    isaloy.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo Isa, é um livro lindo demais. Tens que ler haha
      Beijos

      Excluir
  6. Minha flor, vim agradecer e retribuir a visitinha. Sejas muito bem vinda! Tbm estou te seguindo, tbm quero muito acompanhar suas postagens.

    Grande beijo e feliz 2013!!!

    Cristine.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha eu que agradeço Cris,
      Seja bem vinda!
      Beijos e igualmente

      Excluir
  7. Oi gatuxa, primeiro, muito obrigada pela visita ao meu blog (SimplesAssim)Te espero mais vezes por lá.
    Essa é uma ótima indicação!

    Mil beijos de luz :*

    ResponderExcluir
  8. Confesso que é uma história surpreendende
    acho que ja li algo parecido mas foi um livro cristão e ela se tornou missionaria
    nao entehndo como a mae dela acha ela feia... aff ela nao é feia de forma alguma
    se vc gosta de documentários reais como este é só vc procurar no youtube a fúria de um anjo que confesso que vc vai se impressionar >> eu acho nao tenho certeza
    sauhsuahsuahsuhausa
    gostei e esta anotado e egua ela brigou com a mae? Muito fight véi
    auhsauhsauhsuahsuahsuahsuh

    radiopires.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hmmm vou procurar pelo documentário, Marcelle, obrigada pela dica.
      hahaha o livro é cheio de momentos assim, a Clare, apesar de sofrer bastante, foram pouquíssimas as vezes que ela "respondeu" a mãe, ela sempre manteve respeito, nunca agrediu ela, aquele trecho mencionado ali em cima, onde ela tinha uma faca, foi porque o padrasto dela tinha ameaçado ela e então ela tirou a faca da mão dele hehe

      Beijoos

      Excluir
  9. Olá flor adorei seu blog e o post tb!
    Já sou sua seguidora!
    Aproveito e te convido para conhecer meu cantinho!
    Bjs
    Bel Carvalho
    http://bybelcarvalho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bel!
      Seja bem vinda!
      Vou visitar sim ;)
      Beijos

      Excluir
  10. Muito incrível, já fiquei louca pra ler. E só com os trechos que você citou já me deram repulsa pela mãe e uma singela vontade de chorar. Ao contrario de muitas pessoas eu adoro autobiografias, principalmente aquelas que mechem com a gente. Amei o blog! Bejios!
    Kamilla Oliveira
    http://sonhosdejabuticaba.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, flor, o livro inteiro provoca essa repulsa pela mãe, essa angustia pela Clare... Ah, se você gosta, tem de ler!
      Beeijos

      Excluir
  11. Oiiie minha flor, vim aqui com tanta coisa pra dizer e de repente, sumiu tudo...! As palavras entraram em choque depois que li seu post sobre Constance!!!! Por ser mãe de tres filhos e por um deles também ter enurese noturna, e, acordo também todas as noites ao som do alarme de mãe e corro pra cama dela verificar se já está molhada!!! Fiquei muito triste com essa história, na verdade com todo o absurdo de maus tratos que a menina sofreu. E, por Deus, não entendo mesmo como ela conseguiu se reerguer. Só por Deus mesmo!!! Bem, flor, obrigado por dividir essa história conosco. Desejo pra você um ano 13 de muita sorte e saúde. Bjkas

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário! sua opinião é muito importante aqui no Vida em Marte, vou ler e responder com carinho ;)

Pin It button on image hover